Navegando em "Coleta Seletiva"
abr 23, 2014
Metagreen

COMO DESCARTAR LIXO ELETRÔNICO

Computadores, televisores de tubo, pilhas, eletrodomésticos, celulares antigos, ou qualquer outro equipamento ou acessório movido a energia elétrica ou bateria, que não é mais usado em casa ou na empresa, pode ser considerado lixo eletrônico e, portanto, precisa ser descartado da forma correta para não provocar danos ao meio ambiente e também à saúde das pessoas.

A produção de lixo eletrônico no mundo todo alcançou quase 49 milhões de toneladas, correspondendo a sete quilos por cada habitante do planeta, em 2012. E esse valor tende a piorar, pois a Universidade das Nações Unidas publicou um estudo calculando que esse número irá aumentar 33% em 2017.

Locais para descarte

Você tem lixo eletrônico e não sabe onde descartar? Para quem é residente na capital paulista, é possível procurar o Centro de Descarte e Reúso de Resíduos de Informática, o CEDIR. O local recebe o lixo apenas de pessoas físicas e é necessário ir até o Centro. Para isso, entre em contato por telefone (11) 3091-6454 ou e-mail consulta@usp.br e agende uma visita.
Empresas como Dell, HP, Positivo, Nokia e Itautec oferecem o serviço de coleta de equipamentos antigos. Esse serviço não tem custo para o consumidor e basta entrar em contato telefônico ou por e-mail para pedir a retirada. É importante ficar atento a detalhes de quantidade, por exemplo, pois algumas empresas só recolhem material de empresa exigindo uma quantidade mínima de unidades, ou então só fazem o trabalho para pessoas físicas.

Não é somente a capital paulista que conta com esse serviço. O número de centro de coleta de resíduos eletrônicos vem crescendo em todo o país e para saber se existe algum perto da sua residência, entre em contato com a prefeitura de sua cidade. As fabricantes de computadores e celulares também realizam o trabalho de coleta em todo o Brasil.

Fonte: Atitudes Sustentáveis

Gostou? Compartilhe:
fev 25, 2014
Metagreen

Uma das soluções pro lixo: Coleta Seletiva

Leila dos Anjos

O que é coleta seletiva? Essa foi a pergunta que eu fiz para algumas pessoas nesse mês, algumas pensavam que era a coleta normal de lixo em um horário específico, outras falaram que era a separação do lixo depois que ele chega no depósito, e ainda outras falaram que é a divisão do lixo em orgânico e não orgânico, mas na realidade qual é a definição de Coleta Seletiva? De acordo com estudiosos, a Coleta Seletiva é um processo de recolhimento de materiais recicláveis, os quais são separados adequadamente na fonte geradora e assim levado a fase inicial da reciclagem. Sendo que os tipos de coleta seletiva são baseados na coleta Domiciliar – a qual assemelha-se ao procedimento convencional da coleta de lixo, sendo que a única diferença é que há dias e horários específicos em que os veículos coletores passam; na coleta em Postos de Entrega Voluntária – a qual é colocado pequenos depósitos em pontos fixos, no qual os cidadãos depositam os materiais recicláveis; na coleta em Postos de troca – a qual se troca os materiais por algum bem; além dos catadores que recolhem esses materiais e vendem, para contribuir na sua fonte de renda. Assim, percebe-se que essas atitudes são responsáveis para a melhoria do meio ambiente e para a vida sustentável da sociedade.

Além disso, na entrevista ficou claro que para a implantação de um sistema de Coleta Seletiva a educação é prioridade, ou seja, o bom funcionamento da Coleta Seletiva deve ser baseado em um processo de educação ambiental, usando como sustentação a conscientização, dessa forma a sensibilização é alcançada através de uma orientação metodológica e técnica.

É importante frisar que a Coleta Seletiva pode oferecer inúmeras vantagens, entre elas a melhora da limpeza da cidade – gerando uma qualidade de vida à população, a geração de empregos para a população não qualificada e a contribuição para diminuir a poluição do solo, da água e do ar.

E para ficar mais por dentro do assunto, segue algumas dicas:

1. Sacola de palha está na moda – As sacolinhas de plástico fornecidas nos supermercados para carregar as compras demoram 450 anos para se decomporem e ocupam de 15% a 20% do volume de um lixão.

2. Garrafa e caneca a postos – Garrafas de material durável devem ser difundido, para diminuir a produção de copos descartáveis. A dica vale para o ambiente de trabalho também: deixe no escritório uma caneca.

3. Menos papel, mais árvores em pé – Prefira ler textos no computador a imprimi-los. Use o verso de folhas de papel e reutilize envelopes, colocando etiquetas adesivas nos endereços. Relembre os tempos da vovó: adote um coador de pano para preparar o café. Cerca de 20 árvores deixarão de ser cortadas para cada tonelada de papel reutilizado.

4. A era do a granel – Em vez de comprar dois pacotes de 300g de queijo, enfrente a fila e peça 600g a granel. Será uma embalagem plástica a menos. Essa tática pode ser aplicada a frios, salsichas, geléias e muitos outros alimentos.

5. Palmas para o refil – Prefira comprar produtos com refil, que utiliza menos matéria-prima. Assim, você colocará menos quantidade de plástico fora após a segunda compra.

6. O bebê quer pano – Fraldas descartáveis podem ser práticas, mas as de pano são mais amigas do ambiente – Até os dois anos, um bebê utiliza cerca de 8 fraldas por dia. No total, cada criança usa, em média, 5.840 fraldas.

7. Adeus à marmita de alumínio – Quem busca almoço ou janta em restaurante e leva para casa nas famosas marmitas de alumínio, deve comprar os modelos antigos, feitos de plástico durável.

8. Recarregando as energias – Pilhas e baterias recarregáveis têm vida útil muito maior do que as pilhas comuns ou alcalinas.

9. Vidro sim, plástico não – Entre uma embalagem de vidro e outra de plástico, opte pela primeira. Potes de requeijão podem virar copos, e potes de pepino em conserva, embalagens para doces.

10. Nada de papel de propagandas – Evite pegar os papéis distribuídos junto aos semáforos. Um dia, quando ninguém mais pegar, essas propagandas deixarão de ser feitas, e menos lixo deixará de ser produzido.

Cada brasileiro joga fora, em média, por ano: 90 latas de bebida; 107 frascos de vidro; 70 latas de alimento; 45 quilos de plástico, volume de papel equivalente a duas árvores e 10 vezes seu peso em materiais orgânicos.

Colete, recicle, invente, faça sempre algo diferente, para que o lixo diminua do nosso meio ambiente.

Fonte: Gosto de ler

Gostou? Compartilhe:
fev 3, 2014
Metagreen

Turma da Mônica ensina reciclagem para crianças

Vídeo de conscientização ecológica mostra para as novas gerações como reutilizar vários tipos de materiais e explica sobre a importância de apoiar a coleta seletiva.

Ao aprender a diferenciar materiais recicláveis como lata, plástico, papel, vidro e elementos orgânicos e a depositá-los nas lixeiras corretas, as crianças cumprirão os termos da Política Nacional de Resíduos Sólidos de maneira mais eficaz, uma vez que terão desenvolvido consciência ambiental. Por isso, a ideia do vídeo infantil é ressaltar o quanto é essencial saber reduzir o consumo de produtos, reciclá-los quando possível e reutilizar diversos tipos de materiais. Assista ao vídeo:

Fonte: Pensamento Verde

Gostou? Compartilhe:
nov 26, 2013
Metagreen

Você sabe o que é Amazônia Legal?

Constituída geograficamente por nove estados, a Amazônia Legal é um conceito político criado para o planejamento de ações em áreas de risco

Este conceito foi criado em 1953 para definir uma extensa região que enfrentava os mesmos problemas sociais e econômicos. O objetivo era possibilitar o planejamento de ações para melhoria das condições de vida das populações dessas áreas.

Mas, geograficamente, o que é a Amazônia Legal? As fronteiras desta área mudaram ao longo do tempo e atualmente ela pode ser caracterizada como a área banhada pela Bacia Amazônica.

A Amazônia Legal é formada por parte do Maranhão e mais oito estados inteiros: Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Segundo dados do IBGE, a área possui uma extensão de 5.217.423 km² e corresponde a 61% do território brasileiro. Mas apesar de ter um vasto território, a densidade demográfica desta região é baixa, abrigando pouco mais de 12% da população nacional. Neste número incluem-se 55% das populações indígenas brasileiras.

Apesar de englobar toda a Amazônia Brasileira – o mais extenso dos biomas nacionais e uma das maiores florestas tropicais úmidas do planeta – a Amazônia Legal não é necessariamente a exata área ocupada por esse ecossistema, ela também engloba cerca de 20% do cerrado brasileiro, por exemplo.

Ainda segundo o IBGE, entre as suas especificidades, a região detém a mais elevada biodiversidade, o maior banco genético e 1/5 da água potável disponível no mundo.

A Amazônia Legal passa por um dos maiores processos de regularização fundiária do país, por meio do Programa Terra Legal, que tem o objetivo de legalizar as terras ocupadas por cerca de 300 mil posseiros, dezenas de municípios e até capitais de estado.

Com o ordenamento fundiário nos nove estados que integram o território, o Governo Federal também busca reduzir o desmatamento e ampliar as ações de desenvolvimento sustentável na região.

Fonte: Pensamento Verde

Gostou? Compartilhe:
nov 19, 2013
Metagreen

As diferenças entre o aterro controlado, o sanitário e o lixão

Conheça qual a melhor forma de armazenamento para o lixo urbano, causando o menor impacto possível no meio ambiente com foco na sustentabilidade.

Segundo a Associação Empresarial para Reciclagem (CEMPRE), cada brasileiro produz de 600 gramas a 1 quilo de lixo por dia. Se multiplicarmos este valor pela quantidade de habitantes em nosso país, o resultado é 240 mil toneladas de resíduo todos os dias. E apesar de 45% do lixo brasileiro ser reciclável, apenas 2% é realmente reciclado.

Os outros 98% de resíduos vão para três tipos de instalações: os lixões, os aterros controlados e os aterros sanitários. Na teoria, o melhor destino para o lixo seria os aterros sanitários, mas a maioria esmagadora dos detritos vai para os lixões a céu aberto e sem nenhum tipo de tratamento ou controle ambiental.

Se você não sabe a diferença entre os lixões e os aterros, confira:

Lixão

É a pior forma de armazenar e tratar o lixo urbano, mas é justamente a mais usada. Os lixões são depósitos abertos e desprovidos de qualquer tratamento para os resíduos. Não é feita nenhuma forma de preparação do solo que vai receber os detritos, além de não existir estações para o tratamento de efluentes líquidos, como o chorume (líquido escuro produto da decomposição orgânica), que consequentemente penetra no solo causando a contaminação da terra e dos lençóis freáticos.

O gás produzido pela decomposição do lixo, chamado de Biogás, composto por CO2, metano e vapor d’água também é liberado no ambiente sem qualquer tratamento.

Além da poluição do ambiente, o lixo atrai animais transmissores de doenças, como ratos e insetos. Situação que aumenta o risco de contaminação das pessoas que trabalham no local. Muitas famílias tiram seu sustento dos lixões, onde procuram materiais recicláveis e até comida. Deste modo, este tipo de instalação resulta em problemas de ordem ambiental e social.

Aterro controlado

Instalação intermediária entre os lixões e os aterros sanitários. Normalmente, são áreas mais antigas de lixões que são remediadas para diminuir os impactos ambientais e receber mais resíduos.

Os aterros controlados recebem uma cobertura de argila e grama diariamente em cima do lixo, prática que diminui o impacto visual e o mau cheiro, além de evitar a proliferação de insetos e animais. Também é feita a captação do biogás, que ao invés de ser liberado sem tratamento, é queimado.

O problema fica por conta do chorume, que por falta de impermeabilização da base, contamina o solo e os lençóis freáticos.

Aterro sanitário

Estruturas bem mais desenvolvidas e ligadas à sustentabilidade, os aterros sanitários são as instalações adequadas para o lixo urbano. Tudo é pensado para causar o menor impacto socioambiental, desde a preparação do terreno até a revitalização do espaço a partir do momento que já não for viável a utilização do espaço para o armazenamento dos resíduos.

Antes de receber o lixo, o solo é impermeabilizado com mantas de PVC e argila, deste modo o solo e os lençóis freáticos ficam protegidos da contaminação. O chorume é coletado e depositado em poços de tratamento.

O biogás, resultante da decomposição do lixo, é captado para ser queimado ou é aproveitado como fonte de energia. Além disso, o aterro prevê a cobertura diária dos resíduos como prevenção contra pragas urbanas.

Fonte: Pensamento Verde

Gostou? Compartilhe:
out 31, 2013
Metagreen

Começamos a contagem regressiva para a XV FIMAI: faltam cinco dias!

Este ano a XV FIMAI – Feira Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade a feira acontece em novo horário: das 13h00 às 20h00, entre os dias 5 e 7 de novembro de 2013, no Pavilhão Azul do Expo Center Norte.

Em 2013, a Fimai atinge sua 15ª edição contemplando inovações nos setores de Ar, Água e Solo em nível mundial, com destaque para os avanços e principais ações que estão sendo desenvolvidas em prol da PNRS em todo o Brasil.

Na feira serão expostas as principais inovações em produtos e serviços para as muitas fases de gerenciamento e reciclagem de todo tipo de materiais com objetivo de fazer a gestão ambiental adequada do Solo, da Água e do Ar. Os setores participantes compreendem empresas de consultoria e prestação de Serviços Socioambientais; Educação, Ecopedagogia e Comunicação Ambiental; Equipamentos, Tecnologias limpas e Soluções Ambientais; Fundos de Investimentos; Gerenciamento de Resíduos Industriais; Laboratórios de Análises Químicas Ambientais; Mercado de Créditos de Carbono; Inventário de Emissões; Segurança, Saúde e Higiene Ocupacional; Sistemas de Gestão Integrados; Análises e Gerenciamento de Riscos; Tratamento de Efluentes e Reúso de Água; Remediação de Áreas Contaminadas; Emissões Atmosféricas; Legislação Ambiental; Saneamento Ambiental; Biotecnologia; Emergências Ambientais; Transporte de Produtos Perigosos, entre outros.

O grande diferencial do evento é que, ao longo desses 15 anos de realização, vem contemplando, continuamente, uma gama diversificada de ações em prol da sustentabilidade, valorizando-se, especialmente, como ponto de encontro para profissionais especializados, entre representantes técnicos, acadêmicos, políticos e institucionais, que reconheceram a contribuição da feira e eventos paralelos para a atualização no segmento socioambiental em nível mundial.

o pré-credenciamento on-line para visitar a feira está disponível até o dia 31/10 no link:
http://www.credenciamento.com.br/2013/VisitanteFimai/Visao/CLT_Identificacao.aspx

Após essa data a inscrição só poderá ser feita no local!

A visitação é gratuita!

 Fonte: Revista Meio Ambiente Industrial
Gostou? Compartilhe:
set 23, 2013
Metagreen

Começa em Estocolmo conferência sobre o aquecimento global

Estocolmo – O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC na sigla em inglês) iniciou nesta segunda-feira (23) uma conferência em Estocolmo para apresentar um novo balanço e diagnóstico sobre o aquecimento global.

A organização, que reúne milhares de cientistas, revelará na sexta-feira, após quatro dias de debates, o primeiro volume de um relatório completo sobre as mudanças climáticas, suas consequências e os meios para combater o problema.

Este será o quinto relatório do painel desde sua criação em 1988.

O documento confirmará a responsabilidade do ser humano e a intensificação de alguns eventos extremos, segundo uma versão provisória do texto obtida pela AFP.

“As provas científicas da mudança climática se reforçam a cada ano, deixando poucas incertezas além das graves consequências”, afirmou o presidente do IPCC, Rajendra Pauchi, durante a abertura da conferência em Estocolmo.

Em 2007, o IPCC gerou uma mobilização sem precedentes as respeito do clima, o que rendeu a atribuição do prêmio Nobel da Paz ao lado do ex-vice-presidente americano Al Gore.

Fonte: Info Abril

Gostou? Compartilhe:
set 9, 2013
Metagreen

A reciclagem do lixo eletrônico

Televisores, celulares, pilhas e baterias são alguns dos tipos de lixo eletrônico que devem ser descartados corretamente, principalmente por conta do seu perigo tóxico.

Todos nós sabemos dos benefícios da reciclagem para meio ambiente e para a economia. Agora tente lembrar quantas vezes você trocou de computador ou de telefone celular nos últimos cinco anos. Onde foram parar esses equipamentos eletrônicos? Mesmo obsoletos esses aparelhos também podem ser reaproveitados ou reciclados.

As rápidas mudanças tecnológicas e o crescimento no consumo mundial de eletrônicos têm causado um efeito perigoso para o meio ambiente, principalmente nas últimas duas décadas, que pudemos observar um aumento significativo da quantidade do chamado lixo eletrônico produzido no mundo. A questão é, o que fazer com tantos equipamentos velhos?

Todos aqueles aparelhos danificados ou velhos demais para serem usados, e que acabavam indo para a lata do lixo junto com outros materiais, agora têm um destino melhor, a reciclagem. O reaproveitamento de materiais pela reciclagem do lixo eletrônico é capaz de dar um novo destino para o plástico utilizado principalmente em carcaças de computadores, monitores e aparelhos de TV, ou para os componentes eletrônicos que podem conter metais, como o cobre e ouro.

A reciclagem do lixo eletrônico é feita por meio da coleta desses materiais, assim como já acontece com pilhas e baterias que têm pontos de coleta espalhados em diversos locais, ou por meio de empresas que reciclam equipamentos eletrônicos. O consumidor também pode solicitar ao fabricante do equipamento, por meio do serviço de atendimento ao consumidor, informações sobre os locais que realizam a reciclagem do lixo eletrônico.

A lista de eletrônicos velhos frequentemente descartados e que podem ir para reciclagem inclui aparelhos de TV, computadores, aparelhos de telefone, monitores, impressoras, pilhas, baterias, entre outros. Todos eles formados por componentes de plástico, metal e placas de componentes eletrônicos que ainda podem ser usados. Esses componentes podem conter mais de 60 substâncias tóxicas e nocivas ao meio ambiente e às pessoas, entre eles arsênico, mercúrio, chumbo, cádmio entre outras. Por isso não podem ser descartados junto com o lixo comum.

No Brasil ainda são poucas as empresas especializadas na reciclagem do lixo eletrônico e a maneira mais fácil de encontrá-las é por meio da internet. Mas, antes de encaminhar qualquer equipamento é preciso verificar se ainda existem condições de uso. Mesmo danificado, alguns equipamentos ainda podem ser aproveitados por ONGs e outras instituições.

Antes de enviar o lixo eletrônico para a reciclagem, mantenha os equipamentos longe de fatores que possam danificá-los, tais como o calor e o excesso de umidade, evitando assim vazamentos químicos e outros danos ao meio ambiente. Nunca desmonte esses equipamentos sem conhecimento.

Fonte: Pensamento Verde

Gostou? Compartilhe:
ago 22, 2013
Metagreen

Lixo Zero: fiscais começam a multar quem suja as ruas do Rio de Janeiro

Em vigor desde o dia 20 de agosto, campanha de conscientização de descarte correto do lixo autua mais de 50 pessoas pelas ruas dos bairros cariocas

Começou na terça-feira (20), a operação Lixo Zero organizada pela prefeitura do Rio de Janeiro, que multará o pedestre que jogar lixo pelas ruas da cidade. No primeiro dia de vigência, a medida aplicada pelos agentes da Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana), Polícia Militar e Guarda Civil já autuou 51 pessoas em apenas quatro horas.

Das multas aplicadas, as bitucas de cigarro representaram quase 90% do total. Em segundo lugar, aparecem sujeiras que a Comlurb batizou de “pequenos volumes”, como papel de bala e latas de refrigerante. A multa para quem for visto jogando estes resíduos nas vias públicas varia de R$ 157 a R$ 3 mil.

Infelizmente eu errei, espero servir de exemplo para que as pessoas não joguem mais lixo na rua. Eu só achei que o fiscal foi muito rigoroso, ele nem me deixou falar direito. Pensei até que seria preso”, disse Reginaldo Maurício, carioca que foi multado ao jogar um pedaço de plástico no chão.

O comerciante Cesar Bustamente jogou um palito de fósforo na rua e foi multado na esquina da Avenida Rio Branco com Presidente Vargas. “Eu estava pensando se iria fumar ou não, estava atento para não jogar a bituca no chão, mas acabei jogando o palitinho de fósforo. Isso é o que eu chamo de perder dinheiro fácil”, disse Bustamente à reportagem do portal O Globo.

Para Reginaldo Maurício, multado em R$ 157, as autoridades estão corretas em punir quem joga lixo no chão, porém ele não gostou da maneira como foi abordado por um dos fiscais da Comlurb. Maurício foi autuado ao ser visto jogando um pedaço de plástico no chão.”Infelizmente eu errei, espero servir de exemplo para que as pessoas não joguem mais lixo na rua. Eu só achei que o fiscal foi muito rigoroso, ele nem me deixou falar direito. Pensei até que seria preso”, disse Maurício para a reportagem da Empresa Brasil de Comunicação.

Segundo Vinicius Roriz, presidente da Comlurb – empresa responsável pela limpeza da cidade –, R$ 90 milhões são gastos por mês, ou seja, 15% do orçamento. Com o Programa Lixo Zero a previsão é de que estes gastos diminuam, além de gerar a consciência de descarte correto de resíduos entre a população carioca.

 

Fonte: Pensamento Verde

Gostou? Compartilhe:
ago 19, 2013
Metagreen

Soltando a criatividade com reciclagem

Tão abundantes quanto os materiais descartados são as ideias para reutilizá-los. Com um pouco de criatividade, objetos ganham novas e inusitadas funcionalidades

Quando o assunto é reciclagem não há limites para a criatividade. Da criação de produtos inovadores e funcionais à confecção de itens puramente decorativos ou artísticos, as opções para reutilização de materiais que teriam como destino o lixo são infinitas. Basta ter disposição e deixar a imaginação solta.

Além de ser uma iniciativa ecologicamente sadia, o reaproveitamento criativo é uma alternativa econômica e sustentável, que pode trazer inúmeros benefícios para quem estiver disposto a praticá-lo.

A reciclagem com criatividade já rendeu boas ideias para muitas empresas. Como é o caso do Cashel Mall, um Shopping Center localizado em Christchurch, Nova Zelândia, totalmente construído com containers reciclados colocados lado a lado. Ou ainda da Agência LOLA, que desenvolveu o conceito das Bicycled, bicicletas criadas a partir de um material encontrado com facilidade em qualquer canto do mundo: sucata de carros.

Confira no vídeo o trabalho da Agência LOLA:

Técnicas simples e criativas também podem ser aplicadas no dia a dia, para dar nova utilidade a objetos que já não são utilizados. Móveis velhos, produtos descartáveis, objetos antigos e quinquilharias se tornam matéria-prima para produtos inovadores e originais.

Fonte: Pensamento Verde

Tire suas dúvidas sobre Marketing Digital – Consulte nossos especialistas

Gostou? Compartilhe:
Páginas:12345»