Navegando em " sustentabilidade"
abr 16, 2014
Metagreen

A SUSTENTABILIDADE NAS ESCOLAS

Quando qualquer tema é abordado na educação escolar, faz-se necessária uma pesquisa para saber como está sendo trabalhado, qual a qualidade e os recursos utilizados para que os alunos o compreendam verdadeiramente.

As escolas de um modo geral trazem em seu currículo o tema ecologia, mas cada uma diferencia na maneira e qualidade de exposição do assunto.

Há escolas que felizmente se tornam modelos a serem seguidos por seus exemplos diários de práticas sustentáveis e levam os alunos (crianças e adolescentes) a participarem ativamente desse processo não só no ambiente escolar como em casa e na sociedade.
Porém infelizmente a maioria das escolas não se preocupa em trabalhar todos os dias com essa área, e nem tão pouco servem de exemplo para seus alunos.

Vemos ainda escolas que se lembram da sustentabilidade uma vez por ano apenas, quando é promovida a Semana Dedicada à Ecologia. Nessa semana os alunos procuram demonstrar tudo que sabem apresentando trabalhos maravilhosos, ouvindo palestras, participando de debates e gincanas.

Encerrada a semana acaba-se tudo que foi divulgado e lá se vão os papéis, chicletes e restos de lanches espalhados pelo chão.
As carteiras lixadas ganham novamente os desenhos e rabiscos, e nada mais faz sentido em relação a tudo que aprenderam e pregaram.

Nem mesmo as escolas dão importância ao fato, pois as luzes continuam acesas sem necessidade, as torneiras voltam a pingar e os fortes produtos de limpeza voltam à ativa, e os alunos continuam agindo como antes tanto na escola quanto fora dela.

Crianças e adolescentes que não respeitam o meio ambiente e se a escola não despertar para seu papel principal de educar todos os dias e não uma vez por ano isso se tornará uma bola de neve e a sociedade continuará a formar mais e mais cidadãos adultos que continuarão a poluir a natureza.

Devem ser parabenizadas as escolas que tem como meta a educação por um todo, dando exemplo, ensinando e cobrando atitudes de respeito a si próprio, à sociedade e ao meio ambiente.

Já para as escolas que não dão tanta importância à ecologia apelamos que acordem, pois sem o equilíbrio ambiental não há haverá vida em nosso planeta.

Fonte: Atitudes Sustentáveis

Gostou? Compartilhe:
mar 20, 2014
Metagreen

SUSTENTABILIDADE – REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA

Entre tantos recursos naturais, um é de absoluta importância para nossa sobrevivência, a Água. A raça humana desapareceria, os animais irracionais também, toda a natureza se transformaria em chão seco e empoeirado e o mundo não seria mais um lugar para se viver sem a água para nos nutrir e suprir nossas necessidades diárias.

É duro, mas é a realidade. O que se acreditava ser um recurso natural inesgotável está se esgotando, graças à ignorância e imprudência de uma sociedade consumista e despreocupada que por muitos anos se preocupou apenas em satisfazer seus gostos e suas necessidades abusando dos recursos naturais, e somente de uns anos para cá começou a entender que se não tomarmos cuidado, vamos acabar sem água.

Não dependemos de ninguém para colaborarmos com o meio ambiente, cada um de nós pode fazer a sua parte e evitar esses desastres ecológicos, com consciência e medidas simples que além de ajudar o meio ambiente diminuem nossos gastos financeiros.

Temos como exemplo dessas medidas o reaproveitamento da água. A água da máquina de lavar por exemplo pode ser reaproveitada para lavar o quintal e a água que escorre das loucas limpas pode ser aproveitada para aguar plantas.

Outra forma de reaproveitamento da água é utilizar a água da chuva que pode ser feita com um pouco mais de tecnologia ou seja com o uso de cisternas para comportar a água da chuva e filtros para retirar folhas e outros detritos nela encontrados e um sistema de bombeamento que a leve até a caixa de água, separando-a da água potável, ou de forma mais rústica, utilizando recipientes para comportar a água e limpeza através do processo de decantação, sendo utilizada apenas em funções mais simples que não necessitem de aparelhagem e pressão.

É importante lembrar que a água da chuva não é recomendada para beber ou tomar banho, mas para lavagens de carros, roupas, louças, aguar jardins, utilizar em descargas, etc.

Outras medidas simples de redução do consumo são manter a torneira fechada ao ensaboar a louça, ao escovar os dentes, lavar as mãos rapidamente, não demorar nos banhos, não colocar nos copos água a mais do que deseja beber entre outras pequenas atitudes de economia que podem ajudar muito na preservação da água e colaborar com um modelo de sustentabilidade que deve ser seguido para que tenhamos uma vida melhor.

Gastar menos dinheiro e gastar menos recursos naturais é unir evolução e sustentabilidade, portanto, não perca tempo e ajude nessa batalha a favor do meio ambiente.

Fonte: Atitudes Sustentáveis

Gostou? Compartilhe:
dez 27, 2013
Metagreen

Lavanderia ecológica: um exemplo de sustentabilidade

A preocupação com o meio ambiente e com as gerações futuras vem atingindo diversos setores e áreas diferentes

Com as mudanças mundiais, que afetam a economia, sociedade e o meio ambiente, as empresas foram obrigadas a se adaptar. Nessa corrida por negócios sustentáveis surgiu, então, mais um segmento: a lavanderia ecológica.

O modelo “verde” visa reduzir os impactos gerados pelas ações do negócio, sobretudo no que diz respeito à água. Nesse sentido, algumas lavanderias já adotam medidas para economizar o recurso natural e, também, para diminuir o consumo de energia elétrica, sacolas, embalagens plásticas e produtos de higiene.

Ao adotar os três “R” (reduzir, reutilizar e reciclar) da sustentabilidade, além da consciência ambiental, há também vantagens econômicas e de mercado para o negócio. O uso racional dos insumos leva a corte de gastos, colocando a empresa na frente dos concorrentes devido ao preço menor e melhor.

Algumas lavanderias conhecidas como ecológicas utilizam exaustores eólicos, que usam a força dos ventos para secar as roupas, e triciclos para realizar entrega – consomem menos de um terço do combustível de um carro.

Os exemplos de sustentabilidade nas lavanderias, no entanto, não param por aí. As sacolas plásticas comuns deram espaço às retornáveis, feitas de garrafas PET, os plásticos foram substituídos pelo oxibiodegradável e os sabões e detergentes foram substituídos por produtos biodegradáveis. Já os cabides se tornaram cabides ecológicos e são confeccionados com papelão certificado. Até a logomarca pode ser impressa em gráficas que possuem certificação de Manejo Florestal Consciente.

Para acompanhar essa corrida verde e as mudanças do mundo, a Associação Nacional das Empresas de Lavanderia (Anel) lançou, em 2012, o Selo de Qualidade e Sustentabilidade para o setor. A certificação é adaptada às necessidades do mercado e avalia questões de qualidade, meio ambiente, saúde e segurança.

Lavanderias no mundo

Fora do contexto brasileiro, uma lavanderia nos Estados Unidos se autodenomina orgânica. Isso porque, a empresa usa o dióxido de carbono para lavar roupas, em um sistema que deixa as peças limpas e sem cheiro, e ainda ajuda o meio ambiente. Toda a sujeira das roupas é retida em um filtro, e tratada antes de ser descartada.

O gás encontrado nas garrafas de água ou refrigerante lava as roupas em uma máquina e o processo, que dura apenas 30 minutos, parece ser simples. O equipamento é alimentado com um cilindro de dióxido de carbono; quando o gás é submetido à alta pressão, torna-se líquido, penetra no tecido e realiza a limpeza por completo. A pressão interna diminui, o CO2 volta ao estado gasoso e seca a roupa.

A ideia foi de David Kistner, que ficou preocupado quando soube que os produtos utilizados eram considerados tóxicos. Com a mulher grávida na época, o empresário decidiu mudar o sistema para que a família não fosse exposta a riscos.

Junto com o sócio, ele investiu US$ 150 mil na máquina de lavar a gás, de fabricação americana. A inovação e a preocupação com a saúde e o meio ambiente garantiram que o serviço nunca faltasse na lavanderia de Kistner.

Fonte: Pensamento Verde

Gostou? Compartilhe:
dez 12, 2013
Metagreen

Os benefícios da caminhada para o homem e a natureza

Além de manter corpo e mente saudáveis, quem caminha ajuda a diminuir o uso de combustíveis, a emissão de gases e a utilização de energia. Confira outros benefícios

Caminhada

Foto: ufjf

Caminhar é um exercício fácil, sem custos e muito benéfico à saúde de quem a pratica. Mas você já se perguntou quais os benefícios da caminhada para a natureza?

Praticar o exercício em espaços abertos, arborizados e tranquilos é muito mais agradável, por isso, quem caminha defende a criação de mais ambientes que permitam contato com a natureza na prática de exercícios. Esta atitude é de extrema importância para a manutenção dos espaços verdes nas grandes cidades.

Outro ponto é que ao escolher caminhar percursos pequenos, ao invés de usar o carro ou a moto, deixa-se de emitir gás carbônico, contribuindo para a qualidade do ar. Com isso, fontes não renováveis de energia são poupadas, como o petróleo, que produz os combustíveis. Por outro lado, uma caminhada de apenas 10 minutos por dia é suficiente para melhorar o sistema respiratório, cardiovascular e fortalecer a musculatura.

Caminhar também ajuda a manter a cidade mais limpa. Quanto menos carros houver nas ruas, menor será a necessidade de espaço para locomoção destes veículos, ou seja, menos viadutos, estradas e pontes serão construídos, reduzindo a quantidade de energia utilizada pela indústria e os resíduos sólidos gerados pelas obras viárias. Além disso, haverá menos poluição visual e mais espaços abertos nas cidades.

Quem escolhe a caminhada ao ar livre, em detrimento de outras atividades praticadas em locais fechados, é menos estressado, pois admirar as paisagens naturais contribui para acalmar o cérebro.

Ao preferir o ar livre, menos energia elétrica precisa ser utilizada para mover equipamentos e iluminar ambientes, o que é uma vantagem quando pensamos em sustentabilidade.

Caminhada

Foto: esmtg

Para quem pratica caminhada, os benefícios vão desde a diminuição do estresse até o combate à osteoporose, passando pela redução da fadiga, melhora do humor e aumento da autoestima.

O melhor de tudo isso é que caminhar não tem custo e qualquer pessoa pode praticar este exercício. Mas lembre-se: antes de começar a realizar qualquer tipo de exercício é preciso realizar uma avalição médica para identificar as necessidades e os limites do seu corpo.

 

Fonte: Pensamento Verde

Gostou? Compartilhe:
set 18, 2012
Metagreen

Fábrica de salgadinhos investe em sustentabilidade e eleva faturamento

Recheios são feitos com energia solar e óleo da fritura é reciclado.
Investimento de US$ 1,5 mil gera economia de cerca de R$ 13 mil por mês.

Simone Cunha

Placas de captação da luz do sol esquentam a água que vai cozinhar o frango da coxinha e, depois do salgadinho frito, o óleo vai para coletores e vira sabão. Quando a produção de salgados termina, a fábrica é lavada com água da chuva captada pela cisterna. Com investimento de cerca de US$ 1,5 mil, 10% do custo da fábrica, a Twin Peaks, de Campinas, no interior de São Paulo, reduziu o consumo de recursos naturais temperando os salgadinhos com pitadas de sustentabilidade.

O que no início pareceu gasto, no fim das contas – e de um prazo de 2 anos para se pagar – gera economia de R$ 13 mil por mês e pontos para conquistar clientes, diz o dono da empresa, Murilo Cunha. “Esse é o outro lado da moeda porque você economiza muito.”

Se quem come os salgadinhos (fritos ou assados, gourmets ou de boteco) da empresa não percebe a diferença, a fábrica dá algumas pistas de que há algo de diferente ali. No telhado, há placas de energia solar ligadas a um sistema que leva água às panelas. Com ele, o frango, a carne e o bacalhau usados nos recheios são cozidos em água esquentada pela energia do sol a 70° C, o que gera uma economia de R$ 5 mil por mês em uma conta de R$ 10 mil.

Também no telhado, uma cisterna capta da chuva água suficiente para 60% do uso da fábrica. É desse sistema que sai a água usada para lavar a fábrica no fim de cada expediente e nas descargas dos banheiros. A economia na conta é de R$ 8 mil, estima Murilo, que paga cerca de R$ 12 mil por mês.

Fora da fábrica, o setor de coleta de resíduos é a terceira frente de investimento – e bem baixo, avisa Murilo – em sustentabilidade. Como tinha que ter funcionários fazendo o descarte das embalagens de matéria prima usadas na produção, para evitar a temida contaminação cruzada, a empresa resolveu ir um pouco além e recicla o material. O grupo separa plástico, papel, vidro e também o óleo usado na fritura dos salgadinhos e leva uma vez por semana, de carro, para cooperativas. O material rende cerca de R$ 500 por mês. Continue lendo »

Gostou? Compartilhe:
ago 24, 2012
Metagreen

Sustentabilidade – Garanta o Presente sem Descuidar do Futuro

Autor: Gabi Batista

Embora a maior parte da população do mundo já saiba o que é sustentabilidade, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o real significado desse termo e, principalmente, sobre as ações que estão associadas a ele.

Ser sustentável significa equilibrar as necessidades de consumo do ser humano com a capacidade de renovação da natureza. Sem isso, a tendência é o esgotamento de recursos fundamentais como a água, comprometendo o equilíbrio do meio ambiente e as futuras gerações.

Os temas de sustentabilidade mais recorrentes atualmente estão relacionados ao reaproveitamento de água, à destinação correta do lixo e à geração de energia sustentável.

O reaproveitamento de água é um dos temas mais urgentes, até mesmo para nações que contam com esse recurso natural em abundância. Diversas medidas vêm sendo adotadas para reduzir o consumo de água, além de outras que visam à coleta e o tratamento do esgoto para evitar a contaminação de rios e outras fontes.

Outro fator que polui muito o meio ambiente é o lixo produzido pelo ser humano, especialmente nas grandes cidades. Esses resíduos contaminam o solo e as fontes de água, por meio do seu processo de decomposição e pela deposição de produtos químicos oriundos de pilhas, baterias e outros componentes. A coleta seletiva, os processos de reaproveitamento, reciclagem e a destinação adequada do lixo são atitudes necessárias para reverter esse quadro.

Outro tema de grande relevância é a adoção de fontes de energias sustentáveis, uma alternativa sobre as atuais fontes utilizadas em larga escala, que são baseadas na queima de combustíveis fósseis, gerando gases que provocam a poluição do ar.

Mas não são apenas governos e ONGs que precisam tomar atitudes a respeito da degradação acelerada do meio ambiente. Para que as mudanças sejam efetivas, todos os indivíduos devem assumir responsabilidades, adotando hábitos mais sustentáveis em seu dia a dia.

Fonte: Atitudes Sustentáveis

Gostou? Compartilhe: